Jazz and Bossa Radio

Jazz and Bossa Radio
Jazz and Bossa Radio

viernes, 31 de octubre de 2008

Artista da Semana - Alexis VAN EECKHOUT (Novembro 2 - 8)

Artista da Semana - Alexis VAN EECKHOUT



http://jazznbossa.ning.com/profile/AlexisVANEECKHOUT
http://www.myspace.com/alexisvaneeckhout

Alexis VAN EECKHOUT, a self-made musician and a student of the American Saxophonist J.R. MONTROSE, comes back with what is called a "JAZZ-FRESH" (chill-out) style.
His musical experience started at a very early age in his family.
His first instrument of predilection whas the Clarinet. He played some Classical pieces o f music with his father who was a professional Classical Composer, Organist, and Orchestra's Chief., Later, he played Tenor, Alto and Soprano saxophones with several Belgian bands .
Since 1997, he has focused on blending his musical experiences and influences in order to create his own style. Working on his musical phrasing, melody, harmonisation and rythm as well as on a global musical ambiance for each piece.
These pieces have been composed, interpreted ( Tenor-sax, Keyboards, Piano ), programmed ( Keyboards, Synth, Acoustic piano vsti, Fender piano vsti, Violins vsti, Bass vsti, Drums vsti, Percussions vsti) and recorded by Alexis VAN EECKHOUT himself in his Home-Studio .

viernes, 24 de octubre de 2008

Artista da Semana - Liza Lee (Outubro 26 - Novembro 1)

Artista da Semana - Liza Lee



http://www.lizaleemusic.com
http://jazznbossa.ning.com/profile/LizaLee

Born and raised in Reading, PA, when Liza was 13, she persuaded her mother to take her to New York to begin auditioning for theater, TV and film. She gained one of the top children’s talent managers and began working. Having had a busy career acting and performing on stage, in off-Broadway shows, film, television, commercials, cabaret and touring productions, Liza began to grow tired of the routine. “I remember standing on the stage performing in a musical and feeling like it was time to move on. I had been in shows since I was four years old (locally) and professionally since I was thirteen. I wanted to try something different. I realized that I never wanted to abandon performing but I also knew that a creative shift was in order.”

Liza was in Pennsylvania trying to figure out what it was that she wanted to do. “During this time I met an amazing man and vocal teacher who changed my life. His name was Paul Scholastico. Mr. Scholastico lived in a shack (literally) in the middle of nowhere with his books and music. He is the one who taught me that performing should be a transcendent experience. That if I could let go and let the notes and words become a bridge between the audience and myself then I could be a vessel for music. Mr. Scholastico passed away on the day that I finished my first professional demo. I remember feeling that he was there with me in the booth and not being sure why. When I got home from the studio that night my mother told me the news. I am still trying to learn to be the performer that he believed I could be.”

Liza relocated to New York to live full time. She began to study music with world-renowned jazz pianist and composer Bruce Barth who became her mentor and accompanist. “I was new to the jazz world. I didn’t really understand what a force Bruce is on the jazz scene. Eventually he told me that he felt that I could make a living as a jazz vocalist so I decided to give it a go. I suppose that that may sound a bit strange to just sort of say ‘Ok, now I sing jazz!’ but that is really how this period in my life began.” During this time Liza also studied vocal technique with Jeannette LoVetri, Luciana Souza and Eric Mingus.

Liza and her band went into the studio and recorded her first full-length project "Scarlet Mark", which Bruce played on and co-produced. The release of this project led Liza to receive worldwide airplay, and she toured internationally. Liza also captured the attention of International Creative Management (I.C.M.) agent Bob Zievers. “Bob heard the title track, which was the only original song on “Scarlet” and asked me if I had more original material? We had a meeting where I took him a folder filled with lyrics and left them with him. He called me the next morning and said that he wanted to help me get my songs and thoughts out into the world. He said that the openness and rawness of my writing reminded him of Frida Kahlo’s paintings. This compliment still blows me away. To be compared to anyone with her passion and talent is both terrifying and humbling.”

“My writing is where I let it all out. Or where I can imagine myself in someone else’s skin. I am also incredibly concerned about the terrible state of things in our world right now. I have always been a writer. I have always been an outspoken individual about many issues. Writing the material for my new CD’s just seemed like the natural progression in my growth as an artist.”

Liza is thrilled to announce that she is about to release a new jazz project entitled “Anima” which will benefit “The Society For Women’s Health Research” due to be released in fall of 2008. “I feel like “Anima” has a lot more texture than “Scarlet” did. “Anima” also features more original material than “Scarlet Mark” which is very exciting for me. And the covers that I am doing are songs that really resonate with me. I am much more confident this time around. I feel like I have grown a lot both vocally and emotionally since my last CD and I really feel like people will be able to hear that on “Anima”.”

Liza is also excited to be recording her first completely original music project “Houses of Detention” with Producer, guitarist and composer Joe Davi [Mya (Interscope), Akon (Universal), Foxy Brown (Universal), Noreaga (Penalty), Big Punisher (Loud), Kelis (Jive Records), Remy Ma (Universal) as well as Neyo and Jennifer Hudson] has signed on as producer and has helped to pen a few of the new tracks. “Joe originally comes from a jazz background but he has worked with R&B, rap and pop superstars. He loves alternative and anti-folk as well as Emo. And he can be found running around town catching Broadway musicals, operas and classical concerts. I feel like I have found a similarly schizophrenic musical soul mate. Joe will rein me in when I need it but he also loves to knock down genre walls. Not to mention co-writing with Pat O’Leary (bassist, producer and composer) who will say, ‘Liza, have you heard this field tape of musical examples originally derived from Mauritania, West Africa yet?’ I normally answer, ' Uhm, no, Pat, but let’s hear it.' I am really able to delve into emotionally tough lyrics, add an extra beat here and there and change tempos without either of them wincing. Right now with everything that I have got going on I am in musical heaven!”

An increasingly significant performer, Liza Lee is poised to become an important voice of the 21st century.

viernes, 17 de octubre de 2008

Artista da Semana (Outubro 19 - 25) - Marcela Ro

Artista da Semana - Marcela Ro



http://www.marcelaro.com
www.myspace.com/marcelaro
http://jazznbossa.ning.com/profile/MarcelaRo



Marcela Ro nació en Hermosillo, Sonora y es psicóloga egresada de Universidad de Sonora. Comenzó su carrera como cantante muy temprano en 1987, dentro del programa de la Peña de la Casa de la Cultura de Hermosillo, acompañada por el grupo Opat Kapljlin. Después formó parte del Coro de la Universidad de Sonora y trabajó haciendo jingles comerciales hablados y cantados.

En 1991 ganó el primer Festival de la Canción Universitaria, con el tema original “Sin amor” de Albero Sánchez. En 1992 se integró al grupo Stretto, el cual hasta ese momento sólo interpretaba música instrumental.

En 1998 viajó al Distrito Federal para estudiar canto con el maestro Gabriel Mijares. Participó en un programa del Instituto de Cultura de la Ciudad de México llamado “Vox Fémina”, con figuras como Lila Downs, Betsy Pecanins, Margie Bermejo.

Canto en centros nocturnos en Polaco, hizo coros para María Antonieta de las Nieves “La Chilindrina” y grabó demos de compositores para cantantes como Yuri y Alejandra Guzmán, entre otras. Además, contribuyó con su voz en un proyecto de música infantil “Despierta a la vida cantando”, junto a Reyli y Raúl Ornelas (Tres de copas).

En el 2000 regresó a Hermosillo y fue en el Tec de Monterrey para inscriirse a una maestría en Educación a fin de olvidarse por completo de la música, pero afortunadamente ese septiembre se llevó a cabo el Festival de la Canción del Tec, organizado por su hermana Yael Robles. La noche del Festival, hubo una reunión en casa de Marcela con Gerardo Peña, Chema Frías y Mexicanto. Después de cantar toda la noche con ellos, supo que no habría vuelta de hoja.

Un mes después, cantaba con Stretto en una graduación en el restaurant “La casa Grande”. En el salón contiguo estaba Jorge Estrada, director musical del grupo que acompañaba a Alejandro Fernández, la vio por una ventana y atraído por a pasión que transmitía por su canto a través del virio, fue a escucharla. Al concluir la plática, Marcela decidió irse a Guadalajara para trabajar en un proyecto que se materializó con el cd “Universo Compartido” (2003).

En el 2001 acompañó como corista a Alejandro Fenández a su gira en centro y sudamérica que inició en el Festival Viña del Mar.

Mientras se hacían las grabaciones de “Universo Compartido”, el maestro Vicente Garrido contrató el mismo estudio para un proyecto personal de su obra inédita.

Escuchó a Marcela y la invitó para que interpretara tres de sus canciones en una presentación en el Hotel Hilton de Guadalajara. Se convirtió en asistente de Garrido y colaboró con él en una producción que aún sigue sin editarse, después de su muerte.

La noche que se presentó en el Hilton, entre el público se encontraba el periodista Carlos Díaz Barriga, quien había estado trabajando en un libro sobre el legendario compositor Mario Ruiz Armengol. Gratamente impresionado, invitó a Marcela a conocer a “Mayito” en su pequeño estudio en la XEW en la Ciudad de México. Convencido, Ruiz Armengol le dio dos canciones inéditas para su disco “Universo compartido” (Ternura y Dame un momento).

En el 2003, se encontró con Alberto Cortéz, para quien abrió dos presentaciones de su gira por México en el 2006.

En el 2003, entró a dar clases de canto en la academia de música Zamar Music de Guadalajara. En ese mismo tiempo se inscribió allí Mati Covarrubias, una brillante cantautora que ya había tenido la experiencia de grabar un cd, “Entre música y libertad”. De inmediato hubo química y se pusieron a trabajar en un nuevo proyecto que dio como resultado el álbum “Sea lo que sea”.

Una intensa gira de promoción en medios y presentaciones en vivo llevó a Marcela a numerosas ciudades del territorio nacional. “Sea lo que sea” fue presentado oficialmente por Reyli Barba, quien la invitó a compartir el escenario en tres conciertos en el 2005 y en el 2006 se reunieron de nuevo en el Festival por la Tierra en Huatulco. Después se vendría su presentación en el Zócalo Capitalino en el Festival Donamor, y el Festival del Barrio Antiguo en Monterrey.

En febrero del 2006, hizo una temporada en el Mascabrothers Show Center de la Ciudad de México. En este mismo año, participó con varias presentaciones en el Segundo Festival Internacional del Bolero en Venezuela.

Apenas un esbozo del sendero recorrido por Marcela Ro, camino que vislumbra horizontes promisorios. Sigue dando pasos seguros, Marcela…pero que sea cantando.

viernes, 10 de octubre de 2008

Artista da semana - (Outubro 12- 18) Eugénia Melo e Castro

Artista da semana - Eugénia Melo e Castro



Maria Eugénia Menéres de Melo e Castro

Nasce na Covilhã, Serra da Estrela (Portugal). Filha dos escritores Maria Alberta Menéres e E. M. de Melo e Castro. Em Lisboa estuda Artes Gráficas, aprende Piano e Canto. Em Londres estuda Cinema e Fotografia, na London Film School.

1977
Cria ( com Seme Lutfi e Alberta Melo e Castro) e actua como actriz, no Grupo de Teatro ÂNIMA, desenvolvendo um trabalho de poesia experimental concreta, sonora e visual encenada.

Integra o grupo de teatro "A Barraca" em 1977/78, onde trabalha, entre outros, com Augusto Boal, Mário Viegas, Maria do Céu Guerra e Júlio Pereira.

1978
Estreia-se como actriz de cinema no primeiro filme de Joaquim Leitão "Prá Frentex". No mesmo ano, protagoniza com Luís Lucas o filme "Três Corvos Negros", produzido para a RTP (Radiotelevisão Potuguesa) e integrado na série Contos Tradicionais Portugueses.

1979 – 1985
Compõe, interpreta e produz musicalmente 8 bandas sonoras de filmes de animação, da série "Ouriço Cacheiro", para a RTP, no âmbito do intercâmbio de filmes de animação para a UER (União Europeia de Radiotelevisão).

1980
Apresenta na RTP uma série de 24 programas semanais de Televisão. Em "Quadrados e quadradinhos", estreia-se como produtora musical, cantora e compositora, acompanhada pelos também estreantes Trovante.

1981
Vai ao Brasil convidar Wagner Tiso para gravar o primeiro disco "Terra de Mel", onde participam músicos brasileiros e portugueses. Nesse ano é considerado o melhor disco editado em Portugal e Eugénia a melhor cantora portuguesa. Pelo sucesso de “Terra de Mel” e “Águas de Todo o Ano”, é distinguida com o SE7E de Ouro.

Desenvolve uma intensa relação, musical e pessoal, com uma série de artistas brasileiros, que materializa nos trabalhos seguintes e se revela determinante no rumo da sua carreira, conquistando cada vez mais espaço quer em Portugal quer no Brasil.

Neste contexto, conduz uma pesquisa profunda da música que se fez no começo do século XX em ambos os países. Estreita laços musicais e poéticos, afirmando a sua liberdade em todos os seus discos.

1996 - Cinema
Volta a fazer cinema, como atriz e cantora, em 1998 com o filme "Bocage, o Triunfo do Amor" de Djalma Limonge Batista. A obra é distinguida no Sundance Film Festival, em Utha, com a melhor Direcção Artística.

1998
Destas viagens, trabalhos, concertos e gravações, nasce a ideia de alargar a sua experiência pessoal a outros artistas de ambos os países. Idealiza e cria o programa de televisão “Atlântico”, realizado e produzido em Lisboa no Verão de 1998. É emitido a partir de Março de 1999, em Portugal pela RTP e no Brasil através da TV Cultura, e reune, durante 14 semanas, duplas de cantores e compositores dos dois países. “Atlântico” é idealizado e apresentado por Eugénia e conta com o convidado especial Nelson Motta na co-apresentação dos 14 programas.

16 discos em 20 anos
Entre 1982 e 2002, grava 16 discos, onde se incluem duas edições ao vivo.Todos os seus trabalhos têm lançamentos em Portugal e no Brasil.

Parcerias
Nestes trabalhos, e nos espectáculos que apresenta em Portugal e no Brasil, desenvolve parcerias autorais e vocais com vários compositores e intérpretes como Tom Jobim, Wagner Tiso, Caetano Veloso, Toninho Horta, Francis Hime, Celso Fonseca Guto Graça Mello, Jon Lucien, Gonzaguinha, Vinícius Cantuária, Ney Matogrosso, Milton Nascimento, Chico Buarque, Simone, Carlos Lyra, Paulo Jobim, Gal Costa, Ana Mariana, Egberto Gismonti, Mário Laginha, António Pinho Vargas, Pedro Caldeira Cabral, Márcio Montarroyos, Zeca Assumpção, Nico Assumpção, Artur Maia, Paulo Moura, Jaques Morenlembaum, Nelson Ayres, Paulo Bellinati, Fábio Tagliafferri, Orquestra Brasileira de Cordas, Rio Cello Ensemble, Edgard Barbosa Poças, Orquetra Jazz Sinfónico de S.Paulo, Camerata Tiso, Jorge Ben Jor, Eduardo Queiróz, Emílio Mendonça, Renato Consorte e Christiano Rocha.

2002
Estreia como compositora musical, completando assim o seu lado autoral, uma vez que sempre assinou a maioria das letras que canta. Com o CD “Paz” abre-se uma nova janela criativa no seu trabalho musical.
Ao lado do produtor brasileiro Eduardo Queiróz, desenvolve a sua linha musical actual com novos arranjos para musicas suas, novas linguagens e permanente canal aberto para os novos sons, novas parcerias e autorias inéditas.

2003
Dedica este ano ao lançamento do disco “Paz”. Grava o CD “Paz ao vivo”, que sai no Natal deste ano. Deste trabalho, retira o single “dança_da_ lua.2004.doc” que edita em Agosto.
Nomeada, na categoria de melhor cantora nacional pelo seu disco PAZ para os Globos de Ouro 2003, em Portugal.
Em Outubro apresenta um conjunto de espectáculos em Portugal, numa tourné que visita as principais cidades do país.

2004
Grava os cds Dança da Luz e DESCONSTRUÇÃO .

Shows ao Vivo
Ao longo dos últimos 15 anos faz diversas tournés por todo o Brasil.
Em S. Paulo, actua no Supremo Música, no Teatro Hilton, no Teatro Crown Plaza, no Memorial da América Latina, no SESC Pompeia, no SESC Vila Mariana, no teatro Municipal de S. Paulo com Orquestra Jazz Sinfónica, com a qual se apresenta no parque Ibirapuera por 3 vezes para 50.000 pessoas em cada show. Canta e faz temporadas de shows no teatro do MASP, no Teatro Cultura Artística, no Credit Card Hall, no Tom Brasil, no La Luna e na Pinacoteca do Estado.

No Rio canta nos seguintes teatros: Teatro Municipal, Jazzmania, Canecão, Mistura Fina, Concha Acústica da Gávea, Teatro cecília Meirelles, Teatro Ipanema, Paço Imperial, Espaço Cultural Banco do Brasil, Morro da Urca – Noites Cariocas, Golderoom do Copacabana Palace, Circo Voador, Fundição Progresso, Interlagos – Rio Centro festival de Jazz. De alguns destes shows saem 2 cd's ao vivo e vários especiais de televisão.

Já em 2003, grava em S. Paulo um show especial para a Sony Music Entertainment Television, para exibição nesse canal de televisão e edição em DVD.

2005
Lança e divulga o Cd DESCONSTRUÇÃO em Portugal e no Brasil.

Faz mais de 30 Shows no Brasil no Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizinte, Vitória do Espirito Santo, e em São apulo, no SESC Vila Mariana, no SESC Pinheiros, no Tom Jazz, e no interior do Estado de São Paulo, onde fez tourne pelas principais cidades. No Natal o CD esta colocado nos 3 lugar doTOP de Worl Music da FNAC Brasil.

2006
Faz shows até finais de Março no Brasil.
Regressa a Portugal, onde inicia uma pesquisa de musicas Pop de Portugal.

2007
Comemora 25 anos do lançamento do seu primeiro disco - Terra de Mel
Assina contrato com a UNIVERSAL MUSIC Portugal.
Em Abril / Maio grava o Cd POPORTUGAL em São Paulo.
Lança o CD POPORTUGAL em Portugal em Junho de 2007.
Junho 2007 - Faz 5 espectáculos em Portugal - dia 16 - LISBOA no CCB, Grande Auditório, 21 em Ponta Delgada, 23 na Covilhã, 28 em Coimbra ,e dia 30 no Porto na Casa da Musica.
Em Setembro lança em Portugal os discos PAZ e DESCONSTRUÇÃO Duplo, com novas masterizações.e novas capas.
Em Novembro regressa ao Brasil onde faz shows ate o fim do ano.

2008

Lança no Brasil os discos PAZ, Eugénia canta Vinícius de Moraes, desconstrução Duplo e Duetos x 16. - todos saiem em edições brasileiras da Brazilmusica / Atração.
Dia 23 de janeiro faz show especial integralmente cantado em Inglês, no Bourbon Street, em São Paulo.
Grava TANTO, musica e letra de Sergio Basbaum, com violão de Swami Jr.
Dias 8 , 9 , 10 , e 12 de Fevereiro faz shows comemorativo de 25 anos de carreira no Brasil, no Sesc Santo André, SESC Pinheiros e SESC Rio Preto.
Em Abril lança no Brasil pela EMI do Brasil o seu novo disco POPORTUGAL.



http://www.eugeniamc.com
http://jazznbossa.ning.com/profile/EugeniaMeloeCastro
http://www.eugeniameloecastro.com

viernes, 3 de octubre de 2008

Artista da semana (Outubro 5 - 11) - Mariana Baltar


Artista da semana - Mariana Baltar

MARIANA BALTAR

Menos de um ano após lançar seu primeiro CD, Uma dama também quer se divertir (Zambodiscos), Mariana Baltar começa a se firmar como uma artista de destaque no cenário brasileiro. Além do reconhecimento do público e da imprensa, sempre com boas críticas, a cantora foi indicada à categoria Revelação no Prêmio Tim de Música 2007.

Dançando desde os três anos de idade, a carioca de Copacabana envolveu-se profundamente com o samba na adolescência, quando tornou-se bailarina e professora de dança de salão da Cia. Aérea de Dança: companhia nascida e criada no Circo Voador, que pesquisa e desenvolve o samba em moldes inovadores. Com a Cia. Aérea - onde esteve por 13 anos - participou de vários espetáculos nos EUA e Europa, inclusive acompanhando artistas como Jorge Ben Jor e Zeca Pagodinho.

E quando a música começou a falar mais alto, tornou-se vocalista da cantora Daúde e integrou, em seguida, o projeto Gafieira Dance Brasil, criado por Paulo Moura e Cliff Korman, atuando como cantora e bailarina. Mais shows pelos 2 continentes.

De volta ao Rio e à sua escola de dança de salão na Praça Tiradentes, Mariana foi uma das idealizadoras do Centro Cultural Carioca - hoje referência de boa música na cidade - inaugurado em julho de 2001. Animou as noites de sábado da casa, antigo dancing Eldorado, durante 4 anos.

Ali Mariana costumava interpertar pérolas de Assis Valente, Geraldo Pereira, Billy Blanco, Ary Barroso e, é claro, o Feitiço da Vila do carioquíssimo Noel Rosa. Entre os compositores mais novos, não faltavam Chico Buarque e Dona Ivone Lara. E como boa filha de um pernambucano, Mariana também cantava clássicos da música nordestina, fazendo com que o público cantasse e dançasse ao som da boa música brasileira.

Em 2006, nasceu seu primeiro "filhote", com ela mesma costuma dizer, Uma dama também quer se divertir. O cd, cujo primeiro show de lançamento foi no Rio de Janeiro, teve ótima aceitação do público e da crítica especializada.

Em 2007, a cantora integrou o projeto Sementes, no Centro Cultural Banco do Brasil / RJ, dividindo o palco com o sambista Nelson Sargento, e fez participação especial no grande baile de carnaval do Cordão do Boitatá, na Praça XV. Esteve em cartaz por nove meses no musical Império, de Miguel Falabella e Josimar Carneiro, onde interpretou uma dama da corte espanhola, a Manchega, que viveu no Brasil durante a vinda da família real portuguesa, acompanhando Carlota Joaquina, interpretada por Stella Miranda. No segundo semestre, Mariana dividiu o palco do Canecão com Ana Costa e o grupo Galocantô, fez participação especial no grande baile do Bangalafumenga na Fundição Progresso ao lado de Teresa Cristina e integrou dois grandes eventos ligados ao Dia do Samba. O primeiro deles foi a I Feira Carioca do Samba, que reuniu diversos artistas sob a direção artística de HugoSukman e Cláudio Jorge no Centro Municipal de Referência da Musica Carioca. O segundo foi um grande evento nos Arcos da Lapa, em que Beth Carvalho recebeu a nova geração do samba. Mariana esteve ao lado de Diogo Nogueira, Casuarina e Nilze Carvalho, entre outros.

Em 2008, a cantora planeja gravar 2 CDs e seguir difundindo seu trabalho mundo afora.




http://jazznbossa.ning.com/profile/MarianaBaltar
http://www.marianabaltar.com.br